quinta-feira, 25 de abril de 2013

Malware para dispositivos móveis teve crescimento de 163%, em 2012

Dispositivos Android foram identificados como alvo favorito, sendo a plataforma escolhida por 95% das ameaças identificadas


Uma pesquisa divulgada pela fornecedora de serviços móveis NQ Mobile mostrou que o crescimento de malware em dispositivos móveis cresceu, no geral, 163% no ano passado.

A empresa identificou mais de 65 mil formas de código maliciosos distintos - usados em URLs arbitrárias, SMS phishing (também chamado de Smishing) e aplicativos falsos. Em 2011 esse número ficava abaixo de 25 mil.

A maioria dos ataques, como era de se esperar, tinha como foco principal dispositivos Android - 94,8% das ameças identificadas pela NQ Mobile, para ser mais exato. Em 2012, o número de dispositivos com o sistema operacional do Google atacados foi de 32,8 mil - enquanto que em 2011 o número não chegava a 11 mil.

Os cinco países que mais tiveram dispositivos infectados foram a China (25,5%), seguida pela Índia (19,4%), Rússia (17,9%), Estados Unidos (9,8%) e Arábia Saudita (9,6%).

Métodos mais utilizados
Segundo a pesquisa, os métodos mais eficientes de ataque envolvem uso de URLs maliciosas e smishing. A tática mais comum utilizada, no entanto, é chamada de "repacking" - um tipo de "repaginação" do aplicativo, onde é inserido um código malicioso em um app legítimo e a aplicação é re-enviada para uma loja online de terceiros e onde um usuário desavisado fará o download em seu dispositivo.

Uma vez instalado, o aplicativo funciona em segundo plano, coletando informações sigilosas da vítima, modificando configurações do aparelho ou mesmo enviando remotamente SMS para contatos.
Fonte: IDGNOW!

Pesquisar neste blog