terça-feira, 2 de abril de 2013

Interpol e Kaspersky Lab unem esforços para combater os cibercriminosos


Kaspersky Lab comprometeu-se a colaborar com o departamento de inovação da Interpol, Global Complex for Innovation (IGCI), no combate ao cibercrime.


O anúncio foi feito no dia 21 de março depois de uma reunião entre Eugene Kaspersky, CEO e co-fundador da Kaspersky Lab, Ronald Noble, Secretário-Geral da INTERPOL, e Noboru Nakatani, Director Executivo do IGCI. O encontro realizou-se na sede da Kaspersky Lab em Moscovo.

Os temas principais tratados na reunião foram o crime informático e as ciberameaças emergentes, além da importância dos esforços colectivos na luta contra os cibercriminosos para fazer da Internet um lugar mais seguro. Deste modo, a Kaspersky Lab compromete-se a ceder os seus principais analistas para trabalharem em conjunto com IGCI assim que estiver operativo, em 2014, além de proporcionar um amplo suporte funcional e de inteligência contra as ciberameaças. A Kaspersky Lab também ajudará o IGCI a aumentar a capacidade dos organismos encarregues de fazer cumprir a lei em todo mundo.

Cibercriminosos com os dias contados?

O IGCI equipará as autoridades policiais internacionais do crime informático com as ferramentas e conhecimentos necessários para poderem combater as ciberameaças do século XXI, ajudando-os a identificar os criminosos e oferecendo-lhes formação inovadora e apoio operativo para a aplicação da lei em todo mundo.

Segundo Eugene Kaspersky, CEO da companhia: “Estou muito satisfeito com o resultado desta reunião. Sempre apoiei a criação do que eu chamava uma «Internet-Interpol” durante mais de uma década, e por fim isso está a acontecer. Em breve, os cibercriminosos não terão onde se esconder, a rede está a apertar-lhes o cerco”.

Noboru Nakatani, Director Executivo do IGCI, sublinhou que “o forte apoio para o departamento de inovação da Interpol expresso por Eugene Kaspersky e pela Kaspersky Lab facilitará a aplicação da lei nos 190 países membros. Com esta colaboração, poderemos contribuir com a experiência necessária para gerar um meio seguro e proteger o ciberespaço, levando os cibercriminosos perante a justiça”.

O Secretário-Geral da Interpol, Ronald Noble, afirmou por seu turno que o crime multinacional não pode ser combatido de forma isolada e é essencial a experiência e o apoio do sector privado. “A luta contra o cibercrime exige que a polícia, tanto a nível nacional como internacional, trabalhe com o sector privado, em particular com líderes como a Kaspersky Lab, a fim de manter a segurança na rede”.

Raidbr é parceira Kaspersky


                                                                                         Fonte: Techenet






Pesquisar neste blog