quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Derrubada de botnets diminui drasticamente número de spams

Níveis atualmente giram em torno de 70%, segundo a Kaspersky. A queda também pode ser explicada pela melhoria gradual na filtragem de mensagens.



Os níveis globais de spam continuaram a cair em 2012 e até mesmo o número de anexos maliciosos diminuíram. Ao menos é o que sugere as análises recentes realizadas pela empresa de segurança Kaspersky Lab.

A queda é relativa, claro. Mesmo com uma diminuição de oito pontos percentuais, spam ainda continuou responsável por incríveis 72% do total de e-mails enviados durante o ano - o equivalente a dezenas de trilhões de mensagens inúteis e arbitrárias sendo enviadas  por meio da Internet.

A queda foi consistente ao longo do ano, diminuindo mês a mês, e chegando em um número abaixo dos 70% nos três últimos meses do ano, disse a Kaspersky.

O que está claro é que o percentual exato de spam enviado para um usuário ou rede varia por país e região. Em termos de distribuição, a China lidera a tabela, com uma em cada cinco mensagens de spam enviadas, seguida pelos EUA, com 15,6%. Tanto a América Latina quanto a Europa tiveram seu nível de ataques mais baixo. E a Ásia responde por um nível desproporcional de atividade, representando metade de todos os e-mails enviados.

Os anexos maliciosos também diminuíram ligeiramente, ficando com 3,4% - embora esse percentual não inclua as mensagens com links embutidos.

De acordo com a Kaspersky, a queda sem precedentes pode ser explicada pela melhoria gradual na filtragem de mensagens. E, indiscutivelmente, o rompimento de botnets - rede de computadores zumbis e o tipo de plataforma usada para enviar spam em massa - provavelmente teve um efeito maior, com a derrubada de várias grandes redes de distribuição - coincidindo com o início do declínio de spam em 2010.

Nesta semana, a botnet Virut - responsável pela maior parte de spam da Europa Oriental e dos EUA - foi encerrada, quando o secretário nacional da Polônia interrompeu seus domínios e servidores de comando e controle. Este é apenas o exemplo mais recente de uma sucessão de 'quedas' de botnet nos últimos dois anos.

Outro motivo poderia ser a existência de maneiras melhores de ganhar dinheiro com o cibercrime, não apenas se infiltrando em mídias sociais. "Essa queda é o resultado de uma saída gradual de anunciantes do spam para outros meios mais convenientes e legais de promover bens e serviços", disse Darya Gudkova, da Kaspersky Lab. "No entanto, isso não significa que spam desaparecerá de repente. Mensagens maliciosas, fraude e publicidade de produtos ilegais não podem simplesmente ou facilmente migrar para plataformas legais, devido à sua própria natureza criminal. Esperamos que a queda no volume de spam em 2013 seja insignificante na melhor das hipóteses."

Fonte: IDGNow

Pesquisar neste blog